As estações em nós

Fotografia Maria Eunice Gerard


Quando chega a primavera, ela se veste de flores, cores e perfumes.
O clima se faz propício para a reprodução das plantas.
Os animais comemoram brincando e trazendo mais vida e alegria.
As temperaturas vão aumentando gradualmente, as águas dos rios e do mar se aquecem.
A poesia nessa estação é inspirada pela variedade de cores que apresenta.
As pessoas ganham novas energias e se entusiasmam a cultivar seus jardins, hortas e pomares.
Tudo transpira liberdade e vida, amor e alegria, risos e brincadeiras.
O sol brilha aquecendo, e as plantas renascendo, se espreguiçam vaidosas.
É depois de um intenso período cinza e frio, que ela chega, intermediando o próximo verão.
Fica muito claro, nesse período, o ciclo das estações do ano: a primavera gargalhando vida, o verão trazendo o auge do seu esplendor, o outono permitindo a colheita dos frutos e o inverno se vestindo de neve e frio, declinando do ciclo mágico.

*   *   *

Assim como as estações se sucedem, em nossa vida também passamos por ciclos.
Podemos comparar a primavera com nosso renascimento, no planeta, com a infância despreocupada e a juventude plena de energia.
A maturidade pode ser comparada ao esplendor do verão, que se apresenta como a força da natureza em cada ser.
O outono significa aquele período especial das realidades particulares, na colheita dos plantios realizados. Também período em que podem ocorrer perdas significativas.
São os amores que partem, a pouco e pouco, amizades que demandam o grande lar.
E o inverno seria o decrescer das forças físicas, que desaceleram gradativamente.
Tempo de recolhimento e de meditação, tempo de analisar os anos transcorridos e formular planos para um novo período.
Importante que saibamos aproveitar cada ciclo, que entendamos a importância de cada estação, que tenhamos a sabedoria de usufruir, em totalidade, cada momento, como único e irrecuperável.
Em síntese: viver em totalidade.

*   *   *

Necessário tratarmo-nos como um templo divino que merece respeito, carinho, perdão e amor.
Autoconhecimento é a primavera florida e rica de recados para um futuro promissor.
Autotransformação é o rigor do verão dos aprendizados que temperam e equilibram, seguidos pela ruptura do outono, que recicla, por meio das perdas necessárias e inadiáveis.
Autoamor é o inverno, a busca permanente da alma em se recolher e se aquecer com o próprio calor, com os próprios recursos.
Somos nós com nós mesmos, nos destinos da vida.
Os ciclos da vida somente fluem quando celebramos a nossa história pessoal.
Não sejamos cópia de ninguém.
Cada um de nós nasce para florir e embelezar a vida de um modo único.
Meditemos a respeito. Saibamos florescer, dar frutos, nos permitir o colorir das nuances outonais, até alcançar a neve dos dias de inverno.
Vivamos cada estação com alegria, descobrindo-lhe a beleza, a ousadia, a oportunidade.
Não lamentemos os dias idos, nem choremos o ontem. A melhor estação é a que estamos vivendo.


Crédito:  Redação do Momento Espírita, com base no texto
Estações da alma no amadurecimento emocional,
de autoria ignorada.
Em 7.12.2016
.

Um comentário:

  1. Verdade, precisamos aproveitar cada ciclo, pois eles passam e passam muito rápido !!

    Bjus 1000 querida e um 2017 lindo pra ti !!

    ResponderExcluir

Adoro quando vocês comentam :)

Beijos,

Karen

Visualizações

Arquivo

Categorias