A matemática da vida


 
Quando somos estudantes, nem sempre conseguimos atinar com o objetivo de se estudar determinadas matérias. É comum ouvirmos de garotos e garotas comentários a respeito dessa ou daquela matéria, da qual não conseguem vislumbrar necessidade para suas vidas.
Contudo, tudo é aplicável na nossa vida. Vejamos, por exemplo, a matemática. Além de nos fornecer possibilidades no trato com cálculos, sem os quais ficaria comprometido o nosso conforto pois não se poderiam construir as maravilhas da engenharia moderna, nem estabelecer relações comerciais com os indivíduos e as nações, verificamos que ela se encontra presente em nossa intimidade.
Contam-se as batidas da bomba cardíaca e os movimentos respiratórios para avaliação do estado de saúde ou enfermidade dos indivíduos. E, na nossa vida moral, podemos utilizar muito das operações aritméticas mais simples.
Assim, podemos subtrair um pouco do conforto de algumas horas e as aplicarmos em benefício do próximo. Somamos méritos para nós mesmos.
Se subtrairmos do nosso coração o orgulho, somaremos humildade à nossa personalidade e a soma final será grandiosa.
Subtraindo erros das nossas vidas, somaremos mais anos de paz à nossa existência.
Subtraindo a maldade da nossa mente, somaremos amor e bondade à nossa fé, conquistando em resultado um saldo de alegrias.
Subtraindo o desespero das nossas tarefas, encontraremos a esperança que, somada à renúncia, nos ofertará dias de muita ventura.
Subtraindo o ódio dos nossos passos e somando dedicação ao serviço do bem, teremos um resultado equilibrado.
Subtraindo a inquietação das nossas noites, receberemos uma soma de repouso benéfico.
Subtraindo a ironia dos nossos lábios, somaremos piedade às nossas palavras, resultando em compreensão ao nosso semelhante.
Subtraindo a inveja dos nossos olhos, somaremos caridade às vidas alheias, habilitando-nos para a claridade da vida maior.
Subtraindo o mal das nossas horas e somando aos minutos ações abençoadas, nosso saldo será de dias povoados de oportunidades de auxílio.
Enfim, subtraindo os maus instintos, que nos infelicitam os dias, colocando em seu lugar a soma dos nossos esforços na ternura, descobriremos um saldo extra de conquistas valiosas na operação final da existência.
E quem não deseja um saldo extra?
*   *   *
Quanto menos lutas redentoras, mais dores nos alcançarão na vida.
Quanto menos disposição para a renovação, mais inquietudes em nossas noites.
Quanto menos esforço pessoal, mais desespero em nossos labores diários.
Quanto menos amor nos nossos dias, mais tortura a nos afligir os corações.
Subtrair coisas negativas e somar as positivas determinará exatamente o padrão das nossas vidas, concedendo-nos harmonia e nos habilitando para o grande voo rumo às estrelas, ao infinito, à perfeição.
 
Créditos: Redação do Momento Espírita, com base no cap. Na subtração e na soma, do livro Ementário espírita, pelo Espírito Marco Prisco, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. O clarim.
Em 1.7.2013.
 

Um comentário:

  1. Oi Karen!
    Interessante o comparativo matemático. Eu acredito que tudo que aprendemos, nunca é demais. Algum dia, servirá para alguma coisa.
    Abração esmagador e ótimo dia.

    ResponderExcluir

Adoro quando vocês comentam :)

Beijos,

Karen

Visualizações

Arquivo

Categorias