Solidariedade e progresso


 
Tom era funcionário de uma empresa muito preocupada com a educação.
Um dia, o executivo principal decidiu que todo o grupo gerencial, um total de doze pessoas, deveria participar de um curso de sobrevivência.
A prova era cruzar um rio violento e impetuoso.
O grupo gerencial foi solicitado a dividir-se em grupos menores de quatro pessoas, formando os grupos A, B, C.
O grupo A recebeu quatro tambores de óleos vazios, duas grandes toras de madeira, uma pilha de tábuas, um grande rolo de corda grossa e dois remos.
O grupo recebeu dois tambores, uma tora e um rolo de barbante.
O grupo C não recebeu recurso nenhum. Eles foram solicitados a usar os recursos fornecidos pela natureza, caso conseguissem encontrar algum perto do rio ou na floresta próxima.
Não foi dada nenhuma instrução a mais.
Simplesmente foi dito aos participantes que todos deveriam atravessar o rio dentro de quatro horas.
Tom ficou no grupo A, que não levou mais do que meia hora para construir uma maravilhosa jangada.
Um quarto de hora mais tarde, todo o grupo estava em segurança e com os pés enxutos no outro lado do rio.
O grupo B, ao contrário, levou quase duas horas para atravessar o rio.
Havia muito tempo que Tom e sua equipe não riam tanto como no momento em que a tora e dois dos tambores viraram com seus gerentes financeiro, de computação, de produção e de pessoal.
Mas, nem mesmo o rugido das águas do rio foi suficiente para sufocar o riso dos oito homens, quando o grupo C tentou lutar contra as águas espumantes.
Os coitados agarraram-se a um emaranhado de galhos, que estavam se movendo rapidamente com a correnteza.
O auge da diversão foi quando o grupo bateu em um rochedo, quebrando os galhos.
Somente reunindo todas as forças que lhe restavam foi que o último membro do grupo C, o gerente de logística, todo arranhado e com os óculos quebrados, conseguiu atingir a margem, duzentos metros rio abaixo.
Quando o líder do curso voltou, depois de quatro horas, perguntou:
Então, como vocês se saíram?
O grupo A respondeu em coro: Nós vencemos!
O líder do curso respondeu: Vocês devem ter entendido mal. Vocês não foram solicitados a vencer os outros. A tarefa seria concluída quando os três grupos atravessassem o rio dentro de quatro horas.
Nenhum de vocês pensou em ajuda mútua, em dividir os recursos para atingir uma meta comum?
Não ocorreu a nenhum dos grupos coordenar esforços e ajudar os outros?
Naquele dia, o grupo aprendeu muito a respeito de trabalho em equipe e de lealdade.
*   *   *
E nós, temos olhado para os lados e verificado se alguém precisa de nossa ajuda?
Profissionalmente, agimos como se fôssemos inimigos uns dos outros ou lembramos de nos auxiliar, mutuamente, dividindo tarefas e sugerindo maneiras de resolver problemas?
Estamos dispostos a ensinar o que dominamos a alguém que está iniciando na empresa ou preferimos deixar que o outro se dê mal?
Enquanto vivermos na Terra, como se fôssemos inimigos e não irmãos; enquanto não nos dermos conta de que é sempre melhor estender a mão para que todos cheguemos bem ao nosso destino, continuaremos a entravar o progresso do nosso planeta.
Pensemos nisso e nos tornemos mais fraternos, mais solidários, em todas as circunstâncias: na família, na comunidade religiosa, na empresa, no escritório.
Tentemos isso e nos haveremos de sentir muito melhores.
 
Redação do Momento Espírita, com
base em conto de autoria ignorada.
Em 6.2.2014.

0 comentários. Comente também!:

Postar um comentário

Adoro quando vocês comentam :)

Beijos,

Karen

Visualizações

Arquivo

Categorias