Atenção ao idoso

Olá!!


Esse texto serve para nos ajudar a refletir sobre o nosso futuro, afinal, todos iremos envelhecer...


Beijos,


Karen





" Dona Marlene era uma senhora alegre, ativa, independente e muito lúcida. Aos oitenta anos, apresentava algumas limitações físicas compatíveis com a idade.

As dores articulares, provocadas pelo desgaste natural e consequente artrose, a incomodavam diariamente, mas nada que lhe diminuísse o entusiasmo.

Vibrava com cada conquista pessoal e profissional dos filhos e netos. Novos empreendimentos, cursos, especializações, casamentos, uma nova gravidez na família. Tudo era motivo para seus olhos brilharem de alegria.

Morava com uma das filhas e sua casa era muito bem cuidada. Sempre limpa, arrumada, arejada e repleta de porta-retratos, onde cada fotografia contava uma história.

Certo dia, durante uma caminhada de rotina, a senhora sofreu uma queda que resultou em uma fratura articular, necessitando ser submetida a cirurgia.

Após a alta hospitalar, por recomendação médica, ela precisaria ficar um período em repouso, pois levaria algum tempo para voltar a caminhar com independência.

Os filhos acharam que a melhor solução seria encaminhá-la a uma Casa de Apoio para Idosos. A justificativa era de que ela necessitava de cuidados especiais, para os quais a família não estava devidamente preparada.

Já instalada na Casa de Apoio, dona Marlene recebeu a visita de uma jovem amiga, que a encontrou acamada, totalmente dependente.

Durante a conversa, ela dizia que sentia falta da sua casa, dos objetos pessoais, da presença da família, enfim, do seu alegre cantinho.

Com o tempo, ela voltou a caminhar. Aos poucos, apesar da fragilidade física, foi se tornando novamente independente. Uma das filhas a visitava semanalmente, mas não falava em levá-la de volta ao seu lar.

Nas visitas periódicas, a amiga foi percebendo que a senhora deixara de falar em voltar para casa. Percebeu também a tristeza que lhe ia na alma.

Tinha certeza que dona Marlene não falava no assunto porque no fundo se envergonhava da situação de abandono.

Nas poucas vezes em que se referia à amada família, justificava de várias formas a dificuldade que seria se ela voltasse para casa. Dizia que a família não poderia assisti-la, pois todos tinham seus compromissos pessoais. 

Em verdade, seus lábios diziam palavras que seu coração não compreendia. No lugar daquele olhar alegre e doce, antes cheio de brilho, surgiu um olhar triste, sem vida, que refletia solidão e abandono.

Não era necessário ter muita sensibilidade para perceber que, por dentro, ela morria a cada dia. Que a esperança de voltar para o seio da família ia embora e junto ia também a vontade de viver.

Passado algum tempo, devido a uma determinada complicação de saúde, tornou a ser hospitalizada. Seu organismo cansado, enfraquecido pela dor maior da solidão, não resistiu. Ela havia desistido de viver."

* * *

Algumas famílias necessitam contar com o apoio das instituições especializadas para cuidar dos seus idosos.

É uma difícil decisão e se justifica, em muitos casos.

É compreensível então, contar com tal recurso, enquanto se necessita cumprir nossos deveres profissionais e familiares.

Essa atitude não significa abandoná-los.

O importante é se fazer presente, levando amor e carinho, pois nada justifica a desatenção e o desamparo.

Pensemos nisso.

Créditos: Redação do Momento Espírita.

Em 19.05.2011.

3 comentários:

  1. Oi Karen!
    Lindo texto!
    Esses da Redação do Momento Espírita têm cada ensinamento maravilhoso!
    Obrigada por compartilhá-los!
    E é realmente isso: por se sentir abandonada, desistiu de viver...
    E infelizmente acontece muito...
    Abraços
    Carol

    ResponderExcluir
  2. ADOREI SEU TEXTO!!!MEU BLOG ESTÁ DE CARINHA NOVA E VIM TE CONVIDAR PRA DAR UMA OLHADINHA ... BJO, RÔ (artesaroeva.blogspot.com)

    ResponderExcluir
  3. OLA AMIGA KAREN QTO TEMPO NE, E VIM AQUI VER AS NOVIDADES E QTAS LEITURA BOA VI AQUI, ADORO AS MENSAGEM ESPIRITAS SEMPRE TIRO BOM PROVEITO E APRENDE SEMPRE UM POUQUINHO MAIS A COMPREENDER MUITAS COISAS QUE ACONTECEM EM MINHA VOLTA SEMPRE ESTOU OLHANDO E REFLETINDO, E MUITO BOM NE..ADOREIII QUE VC VAI PARTICIPAR DO MEU SORTEIO, SO QUERIIA TE PEDIR PRA VOLTAR LA NO MEU BLOG E COLOCAR O COMENTARIO NO LIVRO QUE VC ESCOLHEU E DEIXAR SEU EMAIL LA POR FAVOR E COMO ESTA NAS REGRINHAS JA VIU, E MELHOR FAZER TD CERTINHO ..EU LI ESSE TEXTO SOBRE OS IDOSOS, VC SABE QUE AQUI NO JAPAO TEM MUITOS ASILOS E OS ESTRANGEIROS ASSIM COMO EU VEM TRABALHAR E BUSCAR UM POUCO DE MELHORAR A NOSSA VIDA, E SAO TODOS OS TIPOS DE ESTRANGEIROS, VARIAS LINGUAS NOSSA APRENDI A FALAR O ESPANHOL SO DE TRABALHAR NO JAPAO KKKK..MAS AMIGA ENTAO OS ESTRANGEIROS FALAM MUITOS DO JAPONESES QUE SAO FRIOS COM SEUS PAIS PORQUE ACABAM COLOCANDO ELES NO ASILO, MAS NESSA MINHA VOLTAR AQUI PRO JAPAO APRENDI, A VER E PENSAR O PORQUE OS JAPONESE OPTAM PELO ASILO AOS SEUS PAIS, NA VERDADE E COMO ESTA NO SEU TEXTO AQUI E UM MUNDO DE TRABALHO A MAIORIA TRABALHA, E TD DIA UMA CORRERIA E UMA ROTINA, ENTAO O CUSTO DE VIDA AQUI E CARO A ESPOSA TEM SEMPRE QUE TRABALHAR PRA AJUDAR O MARIDO NAS DESPESAS, PRINCIPALEMNTE ESCOLARES QUE SAO CAROS, ENTAO ELES TBM VEM O ASILO COMO UMA TERAPIA, CUIDADOS MEDICOS, COMIDA TD TEM SUA HORA E HORA DE LAZER TBEM, E VI QUE NAO E POR DESCASO QUE ELES COLOCAM NPO ASILO, E SIM PRA ELES TEREM ATIVIDADES ENFERMEIRA E MEDICOS POR PERTO, E ASSIM A FAMILIA TRABALHA TRANQUILA, NAO TENDO PREOCUPAÇÃO COM ELES QUE FICAM EM CASA ..AMIGA TE ESPERO PELO SORTEIO, VOLTO AQUI OUTRAS VEZES ADOREIII LER OS SEUS TEXTOS, BEIJOSSSSS NEUSA

    ResponderExcluir

Adoro quando vocês comentam :)

Beijos,

Karen

Visualizações

Arquivo

Categorias