Perdendo a noção do tempo


 
 
A frase estampada na revista aberta sobre a mesa do escritório nos chamou a atenção.
Compromisso não é chegar sempre no horário. Por vezes, quer dizer perder a noção do tempo.
Tempo é algo que, hoje em dia, quase todos dizemos não ter.
Não temos tempo para o papo mais longo, quando o telefonema nos chega em horários que consideramos inapropriados.
Alegamos não ter tempo para estudar, para ler, para pesquisar. Não temos tempo para o café com os amigos, o encontro no final de semana, a confraternização com o grupo de trabalho.
Por vezes, em nome da falta de tempo, não cumprimos tarefas, no prazo estipulado, criando embaraços para a instituição ou grupo, que contava com nosso desempenho.
No entanto, de todos os compromissos e deveres de que nos furtamos, por falta de tempo, o mais grave é a ausência familiar.
Esse núcleo íntimo precisa de nossa presença. Nossa ausência continuada e, em certos momentos especiais, pode determinar a sua desestruturação e até o seu fracasso.
É assim quando um dos cônjuges se envolve, de forma excessiva, no exercício da profissão ou elege para si mais tarefas do que as horas lhe permitem.
Ser dinâmico, ativo, é saudável. Ambicionar crescimento profissional, lançar-se no voluntariado, também.
No entanto, quando tudo isso nos exige horas em demasia longe dos amores, a questão se torna nevrálgica.
Cônjuge que não recebe o alimento do carinho, da afeição, começa a alimentar carência.
E, por não considerar mais o lar como esse ninho aconchegante e acolhedor, esfria a relação, permitindo-se buscar alhures o que lhe falta.
As crianças, que requisitam atenção, se tornam esquivas.
Afinal, o pai ou a mãe não compareceu à escola no dia da sua apresentação teatral.
Chegou atrasado à homenagem aos pais, não foi ao recital assistir sua performance musical.
Nesse compasso, as crianças e os adolescentes vão se esquivando, se recolhendo para dentro de si mesmos.
De todos os compromissos humanos, os que têm a ver com afeição, são os mais preciosos.
Isso porque as lesões afetivas marcam profundamente as criaturas, influenciando, no futuro, seu próprio desempenho como ser humano.
Assim, é bom aprendermos a administrar o nosso tempo. Nem tanto ao mar, nem tanto à terra.
E, no estabelecimento da nossa grade de compromissos, assinalar algumas horas para se permitir perder a noção do tempo.
Perder a noção do tempo andando de bicicleta no parque com os filhos, jogando bola, indo ao cinema, passeando no shopping, comendo pipoca; fazendo um longo passeio pela trilha ecológica; viajando de carro, sem horário para chegar.
Sem horário para chegar porque poderá parar na beira da estrada para fotografar a paisagem; ou para admirar a carruagem do sol recolhendo-se; ou o voo encantador das aves migratórias; ou simplesmente para tomar um sorvete, sem pressa nenhuma.
Perder a noção do tempo contando estrelas, uma por uma, com seu amor.
Perder a noção do tempo para explodir de alegria, para gravar na intimidade da alma as cenas mais emocionantes.
Perder a noção do tempo com os amores não tem preço.
Pensemos nisso.
Créditos: Redação do Momento Espírita.
Em 1.7.2016.

Mimos para as mamães...

Olá!

Esqueci de mostrar para vocês, os mimos que dei para as mamães da família num encontro que tivemos logo após o Dia das Mães.

Panos de pratos lindos e práticos para o dia-a-dia:






Para embalar, usei saquinhos de papel:




Decorei com carimbos...





E fitinhas...




Um mimo simples e útil que todas gostaram ;)

Até

Tecidos de Natal

Olá!

Já estamos em Setembro... daqui a pouquinho estamos no Natal... e as artesãs já estão começando a produzir peças para essa data tão especial.

+Círculo S/A mandou esse kit de tecidos da Coleção Natal 2016:








As estampas são lindas.... ejá estou pensando nos projetinhos que farei com eles...







Ah! Isso é só uma provinha... AQUI você conhece a coleção toda.





Naninha Mel

Olá!

Ontem eu mostrei o caminho de mesa que fiz para a festinha da minha sobrinha Mel... e hoje vim mostrar o presente que fiz para ela, uma naninha bem fofinha para ela carregar por aí..






Lindinha, né?

Ah!!  Esse tecido do corpinho, que imita um trabalho de patchwork é da +Círculo S/A , nossa parceira aqui do blog!





Trilho de Mesa Abelhinha

Olá!


Minha mãe pediu que eu fizesse um trilho de mesa para decorar um balção na festa da minha sobrinha, que o tema era Abelhinha...

Eu não achei tecido com estampa de abelhas, mas tinha esse composê de preto e amarelo... e achei bem alusivo ao tema...




Não me conformei de não ter abelhas.... e fiz um aplique de abelha em cada ponta....



Infelizmente, não tirei fotos dele na festa :(

Mas, depois da comemoração... ele foi morar no aparador da sala da minha mãe... e ficou ótimo!!








Adorei fazer e participar desse dia especial...

Beijos

Por que as pessoas estão sempre tristes?


 
O garoto norte-americano Jaden Hayes temseis anos e vários motivos para estar tristeficou órfão de pai aos quatro anos e sua mãe morreu recentemente, vítimade um mal súbito.
Apesar disso, não são lágrimas que vemos no rosto do pequeno que,mesmo sentindo falta dos pais, abraçou a missão diária de fazer as pessoas sorrirem.
Porque as pessoas estão sempre tristes?,Perguntouà sua tia, Barbara, com quem vive atualmente.
Na intenção de coletar sorrisos e espalhar alegria por onde passa, ele teve a ideia de comprar patinhos de borracha e outros pequenos brinquedos e entregá-los a pessoas que estejam com expressão triste.
Ele queria que as pessoas sorrissem. Então, me perguntou como poderíamos fazer isso, afirmou ao Daily Mail a tia, que aceitou comprar uma sacola cheia de brinquedos e acompanhar Jaden em passeios pelo centro de Savannah, na Geórgia, onde moram.
Ao entregar o brinquedo às pessoas, elas geralmente perguntam do que se trata e o menino explica: É para você sorrir!
Não há quem resista à proposta e ao sorriso encantador que recebem do garoto.
As reações são diversas, mas algumas em especial tocam profundamente quem presencia o gesto espontâneo.
No projeto, chamado de Smile ExperimentJadenjá conquistou cerca dequinhentos sorrisos e tem uma meta ambiciosa: trinta e três mil outros até o fim do ano.
Em entrevistas, o menino expressa que sofre e sente muito a falta da mãe, mas vê-se claramente que tem aprendido a conviver com essa dor de uma forma toda especial.
A tia afirma que os sorrisos que ele recebe e os abraços que dá, têm-lhe feito muito bemnesse processo de lidar com a falta dos pais.
Uma lição para todos nós, certamente.
*   *   *
Por que as pessoas estão sempre tristes?Foi a indagação desse coração bravo e inspirado.
Por que nos deixamos abater tão facilmente pelos problemas do dia a dia, a ponto de um pequeno acontecimento, uma discussão, uma frustração nos gerar um estado de desânimo e de tristeza?
Por que valorizamos tanto as razões para chorar, se as razões para sorrir são tão numerosas na vida?
Por que carregamos o cenho fechado, os olhos preocupados, como se viver fosse um grande fardo?
Muitos temos questões sérias para lidar, enfrentamos desafios difíceis na família, no sustento material.
Porém, será que a existência é apenas isso? Será que não é possível viver um pouco melhor mesmo com todas essas batalhas diárias?
Sim. É possível. Contudo, não existem fórmulas mágicas, segredos revelados apenas para uns ou outros.
Cada um deverá encontrar forças na intimidade de seu ser.
Alguns sairão por aí atrás de sorrisos, entendendo que quanto mais damos, mais recebemos, e maior felicidade acumulamos.
Perceberão que quando nos ocupamos em fazer o outro feliz, automaticamente encontramos nossa quota de felicidade e consolo para nossos flagelos.
Outros encontrarão base segura na ligação com uma forma maior, entendendo que o Universo é regido por leis perfeitas e que esse a Quem chamamos Pai, é uma inteligência profundamente amorosa.
Outros ainda reconhecerão esses dois grandes apoios como fundamentais para seguir em frente.
Finalmente, haverá dia em que a tristeza cederá lugar à alegria constante, pois nosso coração estará repleto de amor.

Redação do Momento Espírita.
Em 18.12.2015.

Visualizações

Arquivo

Categorias